MUNDO SAÚDE PERSONAL PILATES

O USO DO SALTO ALTO E OS PREJUÍZOS A SUA COLUNA

imagem principal
Flavia Bosco
Escrito por Flavia Bosco

Olá pessoal!

Dando sequência, hoje vamos ao nosso 3º e último post sobre o tema uso do salto alto e suas consequências para nossa saúde.

Vamos falar agora sobre a nossa coluna e como ela pode ser afetada com o uso do salto alto.

A nossa coluna vertebral é formada por tecido conjuntivo e 33 ossos chamados de vértebras que se encontram sobrepostos em forma de uma coluna (daí o nome coluna vertebral).

Nossas vértebras são separadas por discos intervertebrais também chamados de fibrocartilagem, O disco intervertebral é formado por um anel fibroso e um núcleo pulposo, estes são responsáveis pela absorção de impacto e atua como ligamento possibilitando o movimento da nossa coluna.

DISCOS INTERVERTEBRAIS

DISCOS INTERVERTEBRAIS

A nossa coluna vertebral é dividida em 5 regiões,  sendo: região cervical constituída de 7 vértebras, região torácica constituída de 12 vértebras , região lombar constituída de 5 vértebras, região sacral constituída de 5 vértebras e região coccígea constituída de 4 vértebras.

Possuímos em nossa coluna 4 curvaturas anatômicas específicas onde: a região cervical e lombar encontramos a curvaturas que chamamos de lordose e nas regiões torácica e sacral curvaturas que chamamos de cifose. Quando possuímos um aumento anormal dessas curvaturas denominamos então hiperlordose ou hipercifose.

CURVATURAS DA COLUNA

CURVATURAS DA COLUNA

Agora que conhecemos um pouquinho da nossa coluna vertebral vamos aos problemas que o uso do salto alto frequente pode provocar.

Como já citei anteriormente com uso do salto alto transferimos a maior parte do nosso apoio para a região anterior dos nossos pés. Com a redução da zona de apoio, temos um aumento do desequilíbrio que conciliado com a força da gravidade que já tende a nos puxar para frente e mais outros fatores anatômicos que nós mulheres possuímos como a lordose lombar aumentada em relação aos homens, a mulher engravida (aumentando da lordose lombar), a menstruação (que deixa a região lombar mais sensível), tem mamas (alterando a postura anteriormente), oscilam mais de peso (engordam e emagrecem em períodos muito curtos).

Com todos esses fatores o nosso corpo inicia uma luta para se adaptar, alterando suas curvaturas, afim de se manter mais estável e em uma posição de conforto. A nossa postura pagará a conta, então se você não tem problemas, ao longo prazo com o uso constante terá e se já possui algum problema de coluna ele irá se agravar.

Geralmente as pessoas não deixam de usar salto alto, por que os efeitos ruins não são imediatos, é a longo prazo, aliás como todos os problemas de coluna. Uma hérnia de disco não aparece do dia pra noite é um somatório de maus hábitos posturais.

Então vamos às mudanças na nossa postura e seus danos para coluna ao utilizarmos com frequência o salto alto.

Ao andarmos de salto, nossos ombros acabam indo para trás, e a cabeça para frente, o que altera a angulação e aumenta a lordose cervical, provocando a hiperlordose cervical.

Com a projeção do nosso quadril para frente e o encurtamento de nossa panturrilha aumentamos a nossa curvatura lombar que a longo prazo assume-se uma hiperlordose.

AUMENTO DAS CURVATURAS FISIOLÓGICAS DA COLUNA

ACENTUAÇÃO DAS CURVATURAS FISIOLÓGIAS DA COLUNA

A nossa passada se torna mais forte (com maior pressão) quando estamos com o salto, isso gera um aumento da pressão sobre nossos discos intervertebrais que ao passar do tempo pode gerar:

Os discos intervertebrais podem sofrer degeneração, reduzindo de espessura e tornando-se mais rígido, o que consequentemente produzirá um atrito ósseo das vertebras gerando dor.

Ao longo do tempo o atrito das estruturas ósseas de nossas vértebras gera um crescimento ósseo (osteófito), o famoso bico de papagaio. Esse crescimento ósseo pode vir a comprimir as terminações nervosas causando dor.

Pode ocorrer também o aparecimento da protusão discal, que é o abaulamento do disco intervertebral.

O abaulamento pode pressionar a raiz nervosa ou a medula espinhal provocando dor e outros sintomas característicos de compressão de nervos, como perda de movimento ou de sensibilidade, geralmente relatados como fraqueza, dormência ou formigamento.

A protusão pode evoluir para hérnia discal, é quando ocorre ruptura do anel fibroso em volta do disco intervertebral, e projeção do disco além desse anel, saindo da cavidade que o contém. Os sintomas são os mesmos da protusão discal.

IMG4

Mas não fiquem desanimadas. Não quero com isso abolir o uso do salto alto, só orientar que podemos usá-los sem exageros. Deixe aquele salto agulha de 13cm para eventos especiais. Para o trabalho opte por modelos mais baixos, existem tantos modelos confortáveis e lindos. Variar a altura do salto também é uma boa opção, pois não deixa o corpo se adaptar.

A consultora Zaida do Zblog dará a vocês sugestões do uso de sapatos e sandálias de diversas alturas de saltos para manter a elegância independente da altura.

Sobre o Autor

Flavia Bosco

Flavia Bosco

Flavia Bosco iniciei minha formação em Enfermagem pela Universidade Gama Filho, mas meu sonho sempre foi a Educação Física. Após 3 anos e meio de faculdade resolvi lutar pelo que sempre quis e consegui. Hoje sou formada em Educação Física bacharelado e licenciatura pela universidade Gama Filho.
Trabalhei como professora de musculação, Personal Training, Avaliação física, Treinamento funcional, Corrida, Eventos (na área da Educação Física), mas nada me encantou tanto quanto o método Pilates, paixão que tento passar para todos os meus alunos.
Montei meu primeiro Studio (Corporeal Pilates) junto com meu sócio Igor Borges há mais de um ano, ao qual me dedico integralmente.

Deixe um comentário